“Notas”07/06/2014 “Uma noite de nostalgia com Mario Sergio Conti e José Serra

As noites de quinta-feira no canal a cabo GloboNews têm como atração no horário das 23:00 programa de entrevistas com um dos mais respeitados e discutidos jornalistas brasileiros que, tanto no comando do “Roda Viva” há poucos anos e no programa atual “Diálogos”,  tem demonstrado não ser um homem de TV. Comentaristas em redes sociais, sites de entretenimento, e no “YouTube” apontam falta de carisma, empatia e declaram irritação com o tom distante e frio do entrevistador. Não é o que diz o publico que comenta seus artigos e que o acompanha desde os dias de “Veja” e “piauí”, que o sabe jornalista competente e de texto sarcástico. Pois não é o seu publico, é o publico de TV, em suma.

O perfil dos entrevistados até agora tem seguido a pauta de interesses do publico da área de Humanas da USP- mesmo quando o entrevistado foi MC Guime, pois convidado durante a onda do dito “rolezinho”, fenômeno social que era, nos dias da entrevista, tópico corrente da intelectualidade universitária. Os demais convidados foram, em sua maioria, nomes do agrado da Esquerda oficial, começando pelo programa de estreia, que teve como convidado Cesare Battisti. Militantes de movimentos sociais aprovados pela Academia parecem ser uma predileção. Uma tendência no entrevistador Conti já no “Roda Viva”. Uma possível explicação talvez esteja no fato de que, de volta a São Paulo, cidade que em diversos textos Conti diz considerar feia e inóspita, após morar anos no Rio de Janeiro (onde dirigiu a “piauí”), ele tenha encontrado no seu meio de juventude- a USP e os círculos de Esquerda aos quais pertenceu- seu ambiente de refugio. Daí certas manifestações de nostalgia.

Como a de ultima Quinta-Feira, quando recebeu José Serra, lançando livro de memórias sobre os acontecimentos de 1964, “Cinquenta Anos Esta Noite” , que o tiveram  personagem, como Presidente da UNE daqueles dias. Foi como seria de se esperar em programa de meia hora apenas, conversa centrada basicamente em um assunto: a recapitulação do que o então jovem estudante presenciara e de vultos do período. Mas foi uma jornada afetiva carregada de saudosismo- ao lembrar de JK, por exemplo, Serra conclui que “Faltam hoje homens como ele”. Pergunta-se: quem duvidaria? Serra apenas parece fixado nos anos ’60 além do esperado em quem ainda nutre projetos políticos –projetos estes que deixou em suspenso. Nada disse, e nem Conti lhe perguntou (talvez temendo elaborar perguntas cretinas, ou soar zombeteiro) sobre as eleições presidenciais, de como se portará em relação ao candidato do seu partido, PSDB, Aécio Neves. Nada a dizer sobre a educação, além de louvar o aumento de números de alunos em Universidades em relação aos dias de sua juventude, e de relativizar muito de passagem a qualidade do ensino oferecida aos milhões de universitários de hoje. Sobre violência urbana que exibe anualmente alguns milhares de mortos, não se demorou, nem Conti lhe arguiu a respeito. O que tem a dizer sobre violência- e sobre o que Conti arguiu- é pertinente à “Comissão da Verdade”, e do que ela contribui para esclarecer acontecimentos de décadas atrás, embora tenha se declarado cético em relação a uma possível revisão da Lei de Anistia. Declarou que, embora gostasse de ver punidos quem torturou e assassinou seus amigos, desconfia da vingança executada pelo Estado.

Como ninguém razoável negaria legitimidade a um sentimento individual de vingança, Conti lembrou a origem calabresa de ambos (dele, Conti, e de Serra) e de possível prazer que ambos experimentariam ao ver seus algozes (de sua geração) punidos. Serra sorriu, confessando que sim, sim, gostaria de vê-los presos. Direito legítimo de se deliciar com  sentimento de desforra; mas entre as vítimas (que perderam parentes ou foram feridos irremediavelmente) da luta armada, certamente haveria calabreses de memória igualmente prodigiosa e que julgam que alguns anos que porventura os militantes tenham cumprido (e mesmo torturas), não trariam de volta as vítimas – que o foram por estar no aeroporto de Guararapes (atentado que produziu 16 vítimas fatais e diversos feridos,ocorrido em 1966, antes portanto do AI-5 Ato que é a justificativa usualmente tirada do colete para justificar os atos de terrorismo da Esquerda) ou por passar em um local de tiroteio, ou vitima de alguma explosão, ou assalto (perdão, expropriação) não haveria?  Mas estes não fazem parte da “Aristocracia da Dor” e não contam.

Mas votam e assistem TV. E decidem boicotar programas e riscar de lista de preferências eleitorais.Comentaristas na pagina do “Facebook” de José Serra protestam contra seus textos memorialísticos e cobram pronunciamentos sobre a guerra dos dias do tempo atual, em que ele ainda milita na política. Sem resposta do ex-Governador,agora memorialista, que parece desinteressado de qualquer esforço pelo seu partido – ainda que poucos ousem culpá-lo por este desanimo.

Um momento revelador foi quando Conti enumerou nomes de políticos com os quais Serra conviveu nestes anos de vida publica – citou Jango, JK, Celso Furtado e FHC. Serra discorreu sobre todos, deles recordando com nítida emoção, exceto FHC – foi como se ele não tivesse ouvido entre os nomes enumerados pelo jornalista, o do ex-Presidente.

Dois personagens de importância indiscutível em seus campos respectivos captados em momento de baú de recordações, como que alheios aos dias de 2014, neste programa “Diálogos”. Faltou a trilha sonora de Joan Baez, Bob Dylan, e “Crosby ,Stills,Nash & Young”.

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s