“Notas”- 21/02/2017

Sobre Reinaldo Azevedo e Joice Hasselmann

Não planejava escrever sobre este assunto; não fazendo parte do público de nenhum dos dois, me sentia sem autorização moral para opinar. Mas amigos que me leem me cobraram por email e nos encontros pessoais, e aí vai o que penso sobre esta discussão:

Um jornalista opina sobre o momento político e outro jornalista opina sobre a opinião do primeiro, questionando suas motivações. Isto deveria ser visto como algo sem maior importância, algo que não merecesse um vídeo ou artigo de resposta.

Joice Hasselmann questionou Reinaldo Azevedo por este criticar manifestações contrárias ao governo que Reinaldo apoia. Penso ser este um questionamento ocioso, não? No lugar de Reinaldo eu não responderia, pois se trataria de explicar o óbvio: há movimentos que julgo ajudar o adversário, com manifestações fora de tempo e, tendo escrito sobre isto, não me julgo no dever de explicar supostas incoerências. E teria terminado aí.

Mas Reinaldo se julgou ofendido como que considerou suposições sobre intenções menores e ocultas e fez vídeo no qual exteriorizou seus conceitos sobre a pessoa e o desempenho profissional da jornalista que o interpelou. E foi o que vimos.

O que pareceu machismo a muitos. Não gosto destas qualificações, desconfio destes reducionismos, mesmo porque lembro outros comentários que julguei desmedidos por parte do jornalista cujos alvos foram homens, logo…

O que me intrigou foi a escolha do alvo, pois Joice não tem sido a única crítica de Reinaldo. Como ele a julga despreparada (foi o que reiterou no vídeo), pela lógica deveria dar de ombros e responder com energia aos jornalistas que considera dignos de resposta. Não?

Eu escrevi no começo não fazer parte do público dos dois, e não sou.

Dela, Joice, se vi uns dois ou três vídeos, foi muito; sem entrar nos seus méritos. Talvez o estilo ou a abordagem da Política não tenham me causado vontade de engrossar as fileiras dos seus admiradores. O dia é curto e tenho autores que julgo obrigatórios e a eles dedico meu tempo de leitura pela internet. Dele, Reinaldo, escolho ler ou não pelo assunto. O mesmo faço com vídeos dos seus programas de rádio. Não o considero ignorante ou despreparado, mas as divergências sofreram o agravante, para mim, de ter tido dois ou três comentários recusados sem eu ter feito mais que discordado em termos os mais respeitosos de uma ou outra opinião. Não o odeio por isto, apenas não me tornei seu leitor fiel.

Nunca aprendi com ambos, nem colhi maior prazer, e são estes os critérios que obedeço na escolha de meus autores de referência. Fora isso, nada tenho contra quem nem desconfia que existo e que desconhece este blog. A indiferença às opiniões e juízos emitidos em ambos os espaços explica o nenhum entusiasmo que a discussão me despertou.

Não escondo, entretanto, que considero Reinaldo desmedido na resposta a um vídeo emocional de Joice. Ele teve outras ocasiões para lamentar o que considera insuficiente e nocivo no trabalho da ex-colega e não o fez. Não trabalham juntos há algum tempo e a desculpa de evitar críticas aos colegas de empresa não mais cabe. Parece que ele deixou rancores cozinharem dentro de si; o que parecia a ele invasivo e desagradável no comportamento da ex-colega de bancada da “TVeja”explodiu neste vídeo que pretextava resposta a um questionamento simplista.

Há maneiras e maneiras de responder questionamentos pueris. Um artigo no qual demonstrasse o primarismo dos que o atacam não teria sido mais conclusivo?

Eu no lugar de Joice não teria interpelado Reinaldo por críticas ao que ele vem explicando de forma clara. Questionaria o costume de atribuir aos críticos do PT preconceitos que antes apenas os petistas atribuíam: aversão aos negros e nordestinos, ao fato de Lula ter nove dedos, etc.

Não seria Reinaldo antevendo a volta do PT (o que ele de fato antevê) e buscando se apresentar como direita progressista, separada do PT por questões em tudo diferentes das razões do que ele chama de “Direita xucra”? Uma Direita palatável ao PT, em suma?

Este é o questionamento que Joice deveria ter feito, e do qual seria difícil Reinaldo escapar recorrendo ao mero desabafo sobre os sacrifícios do convívio com quem considerava indigna de sua companhia.

Os termos e as imagens do vídeo resposta do Reinaldo vocês conhecem e se não conhecem…não serei eu a comentar o que todos já comentaram. Não considero necessário analisar o que não merece análise. E que só surpreendeu quem é mesmo desatento.

Lembro de sua briga com o Olavo de Carvalho. Ele também atribuía ao Olavo opiniões que Olavo não havia emitido ou endossado; Olavo não pregava intervenção militar ou algo do tipo. O chamado à reflexão e à paciência era o que Olavo opunha aos seus leitores ansiosos por queimar etapas. E ainda assim Olavo foi acusado por Reinaldo.

Quantos defenderam Olavo? Quantos convidaram ao cancelamento de assinaturas dos órgãos que o publicam e ao boicote do seu programa de rádio?

O vídeo com ataques à pessoa de quem o questionou nada mais é que um desdobramento deste episódio, não?

Quando Reinaldo defendeu que Jair Bolsonaro deveria responder na Justiça por bobagem dita, e o Olavo de Carvalho teve sua primeira decepção com ele (Reinaldo não respondera a uma mensagem de Olavo), escrevi sobre o entusiasmo indevido dos admiradores do Olavo de Carvalho e direitistas em geral com alguém que tomavam como guia por razões equivocadas. Publiquei no dia 18/02/2014. Reiterei este juízo sobre Reinaldo (que ele era endeusado por razões erradas) quando de sua briga mais recente com Olavo, no dia 29/01/2016.

Não forneço os links, e sim as datas, por acreditar que interessados saberão encontrar no blog; não gosto de empurrar goela abaixo dos leitores os textos passados, por meio de links.

Sobre cancelamento de assinaturas de “Veja” e outros órgãos de comunicação, já escrevi no blog em diversas ocasiões, e não me referindo apenas ao Reinaldo Azevedo. Penso que leitores que se julgam mal servidos de informação e são tidos como trogloditas preconceituosos deveriam ter como obrigação moral cancelar assinaturas. Livrariam–se de serviço insatisfatório e livrariam estas empresas de um público indesejado a um só tempo.

Tudo –a briga entre Reinaldo e Joice é apenas um exemplo- na imprensa brasileira de hoje contribui para degradação na Política. Pelo simplismo, pela superficialidade, pelo que nivela por baixo. E um boicote me parece ser a única resposta, a única defesa do leitor e cidadão.

Bom, é o que tenho a dizer sobre este episódio, este pouco aqui. E acreditem; me foi duro escrever sobre o Nada.

Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s